Pesquisadores brasileiros descobrem que o zika pode ser aliado no combate ao câncer de próstata
30 de novembro de 2019
Semana de N2 chegou: hora de se preparar e despreocupar
2 de dezembro de 2019
Exibir tudo

Dezembro Vermelho: entenda a diferença HIV e aids

O Dezembro Vermelho se inicia hoje e dá largada ao mês de prevenção ao HIV e aids. Mas você sabia que os dois não são sinônimos? Pois é, e isso você vai aprender nesta leitura.

Atualmente, o Ministério da Saúde estima que existam mais de 866 mil pessoas que vivem com o HIV. Ainda que segundo o Boletim Epidemiológico, a epidemia no Brasil seja considerada estabilizada, o número de novos casos dos últimos cinco anos representa mais de 40,9 mil por ano. 

Só que nem todos os portadores do vírus HIV possuem aids. Isso, porque o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) é o causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (aids), mas não a mesma situação. Ainda que o vírus não seja de fato a síndrome, não possui tratamento e o paciente viverá sob tal condição pelo resto de sua vida. 

A diferença entre Vírus da Imunodeficiência Humana e a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

A sua transmissão se dá por meio de relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas contaminadas, materiais perfurocortantes contaminados e não esterilizados e por meio da transmissão vertical durante a gravidez, parto ou amamentação sem as devidas medidas de prevenção. 

Ainda que atuem de modo semelhante – segundo o Ministério da Saúde, ambas atacam células específicas do sistema imunológico -, portar HIV não é garantia de que a aids vai estar ali. Isto porque a síndrome é um estágio mais avançado do vírus. O comprometimento das defesas do organismo chega a ser tão significante que até mesmo tipos de câncer podem afetar o paciente. 

A epidemia entre homens jovens

Ainda que nos últimos anos a taxa de óbito a cada 100 mil habitantes tenha reduzido de 5,7 para 4,8 (entre 2014 e 2017), o Boletim Epidemiológico destacou que 73% dos novos casos (30.659) aconteceu entre os homens. Entre aqueles com idade entre 20 e 24 anos, o crescimento dos números entre 2007 e 2017 foi de 133%. 

Desta forma, ainda que já saibamos o modus operandi do vírus HIV, torna-se imprescindível lutar pela prevenção. Batalha que marca o Dezembro Vermelho. Fazer a sua parte é priorizar a sua vida. Não se esqueça, realize exames rotineiros e deixe o medo de lado. Quanto antes souber da sua condição, melhor para todos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *